Como Ter o Controlo das Suas Finanças Pessoais

São muitas as pessoas que nos perguntam como resolver os seus problemas financeiros. É impossível ajudar todos os leitores que pedem ajuda, mas sempre que possível tentamos encaminhá-los para alguns artigos que os possam ajudar a procurar respostas.

O tema finanças pessoais é bastante alargado e é preciso ter vontade de aprender para poder fazer frente a todos os desafios que lhe aparecerão no futuro.

Neste vamos procurar ajudar na caminhada para a aprendizagem das finanças pessoais.

Se estiver disposto a aprender cada vez mais sobre a forma de gerir o seu dinheiro, conseguirá melhorar a sua situação financeira nos próximos anos.

Descobrirá a melhor forma de poupar dinheiro, de investir, de preparar a reforma, de escolher um empréstimo, de eliminar as dívidas, de poupar nas compras, de escolher um seguro, etc. Tudo o que faz parte do vasto mundo das finanças pessoais.

A economia dos últimos anos mostrou-nos que estávamos a viver acima das nossas possibilidades e quase acabava em desastre. Por isso, se tiver alguma educação financeira, poderá ultrapassar as maiores dificuldades nas suas finanças pessoais. A informação é o poder, também no que diz respeito a ganhar e poupar dinheiro.

Não Há Impossíveis Nas Finanças Pessoais

Muitas pessoas pensam que não há volta a dar e que nunca conseguirão dominar as suas finanças. Não faça essas assumpções porque, da mesma forma que ficou endividado, também poderá sair desse mundo.

Algumas ideias erradas que as pessoas têm, incluem pensamentos como:

  • Tenho problemas de saúde e não conseguirei pagar.
  • Não conseguirei colocar os meus filhos na escola.
  • Não conseguirei eliminar a minha dívida do cartão de crédito.
  • Gostava de eliminar as dívidas mas não gosto de fazer orçamentos domésticos.
  • Não sei como enfrentar os impostos.

Se tem algum destes pensamentos, ou algum pensamento relacionado, saiba que é possível dar a volta à sua situação. Pode não ser fácil, mas é possível. Pode não ser rápido, mas é possível.

Olhar Para a Sua Situação Financeira

A primeira coisa que tem de fazer é conhecer a sua situação financeira porque só assim saberá exactamente onde está e o que tem de fazer para sair. Para ter chegado a este site é porque está minimamente preocupado com a sua situação financeira ou quer aprender mais para não ter problemas no futuro. Isso é sinal de que está motivado para aprender tudo o que puder nesta área.

Para muitas pessoas, enfrentar os problemas financeiros pode ser assustador, mas não pode fugir da verdade durante o resto da vida. É essencial descobrir em que situação se encontra neste momento e aquilo que deseja para o futuro.

Questões Para Determinar os Problemas Financeiros

Seja o mais honesto possível na resposta a estas questões, porque só assim saberá toda a verdade sobre o seu estado financeiro.

  • Não tem dinheiro nas suas poupanças?
  • Não consegue dormir porque tem problemas financeiros?
  • Já discutiu com a sua mulher ou marido por causa das finanças?
  • Sabe quando dinheiro deve?
  • Não paga as suas dívidas a tempo porque não tem dinheiro?
  • Já deixou de pagar algumas dívidas?
  • Utiliza o cartão de crédito para adiantar dinheiro frequentemente?

Relacionamento Com o Dinheiro

É preciso identificar o seu relacionamento com dinheiro. É uma pessoa que pensa que o dinheiro pode comprar o respeito e estatuto perante as outras pessoas? Pensa que gastando mais dinheiro, os outros gostarão mais de si?

A publicidade faz com que a nossa sociedade associe o dinheiro a sucesso e só quem tem muito dinheiro é que consegue ser feliz. Nunca se vêem anúncios a dizer para gastar menos dinheiro. Mas lembre-se que essas empresas só facturam se o convencerem a gastar o SEU dinheiro. Se é daquelas pessoas que quer ter um carro ou uma casa melhor do que os seus vizinhos, saiba que está a ir pelo caminho errado. Essas comparações podem levá-lo ao endividamento rapidamente.

Identifique em si o relacionamento com o dinheiro. Pense um pouco naquilo que faz emocionalmente. Sempre que tem uma boa notícia, gasta dinheiro? Sempre que tem uma má notícia, gasta dinheiro? Sempre que está ao pé dos seus amigos, gasta dinheiro mesmo sabendo que não devia? Provavelmente está viciado em utilizar o dinheiro como recompensa e isso nunca o vai levar a bom porto.

Todos gostam e devem ter uma recompensa por algo extraordinário nas suas vidas, mas quando isso é um acto banal, que custa dinheiro, é altura de parar.

Não seja daquelas pessoas que dizem que gostam de viver para o presente, sem terem de pensar no futuro. Em certas disciplinas, viver o momento é excelente, como se ensina nos cursos de stress e gestão do tempo, mas financeiramente é um desastre.

Se você utiliza o crédito para despesas não essenciais, não poupa dinheiro mensalmente e não costuma tratar das suas finanças, é provável que esteja com essa atitude de ‘viver o dia de hoje’.

Essas atitudes podem arruinar as suas finanças pessoais, por isso tenha muita atenção.

A primeira medida para saber o estado das suas finanças pessoais é comparar os seus rendimentos com as suas despesas. Muitas vezes, esta descoberta é uma grande surpresa.

Juntar Toda a Informação

Para começar a fazer as contas é preciso ter os registos de tudo o que ganha e de tudo o que gasta. Algumas das coisas que vai precisar incluem:

  • Registos de cheques utilizados
  • Movimentos e extractos bancários
  • Recibos de compras efectuadas a dinheiro
  • Todos os movimentos de compras a crédito
  • Se tiver, os registos das despesas do último ano

Deve também juntar todos os rendimentos que teve nos últimos 12 meses. Isto será mais simples, já que basta retirar os movimentos das suas contas bancárias.

Com esta informação, poderá comparar tudo o que ganhou com tudo o que gastou nos últimos meses, de preferência no último ano.

Criar Categorias em Rendimentos e Despesas

Se utilizar uma tabela como a que existe no orçamento familiar será mais simples não deixar passar nada. Não precisa de complicar muito, basta utilizar uma folha de cálculo com aquela informação.

Existem basicamente três tipos de despesas.

Despesas Fixas

São aquelas despesas que são sempre iguais, como é o caso da renda da casa, televisão por cabo, empréstimo do carro, etc.

Despesas Variáveis

São as despesas que podem variar todos os meses, sendo o exemplo mais importante a alimentação. A electricidade, gás e água são outros bons exemplos.

Despesas Periódicas

São todas as despesas que têm de ser pagas periodicamente, como é o caso dos seguros automóveis anuais, os impostos, etc.

É por isso que tem de adaptar a folha de cálculo às suas necessidades, porque as despesas fixas de uns podem ser as despesas variáveis de outros.

Coloque na folha de cálculo todas as despesas anuais registadas.

Analisar as Finanças Pessoais

Se completou o exercício correctamente poderá ficar surpreendido por gastar tanto dinheiro em determinadas categorias. Se calhar dois ou três jantares fora todos os meses levam-lhe mais dinheiro do que pensava. Provavelmente gasta mais dinheiro para comer no emprego diariamente do que pensava.

Se chega ao fim do mês sem dinheiro, agora tem uma perspectiva mais clara das categorias para onde está a ir a sua carteira. Uma despesa isolada não parece muito, mas quando somada ao mês ou ao ano, pode surpreender muita gente. Se consome dois ou três cafés por dia, gasta centenas de euros por ano. No entanto, é uma conta tão pequena quando vai pagar…

Exemplo:

Se gastar 1,5€ em cafés todos os dias, são 547,5€ por ano.

Se lhe dissessem no inicio do ano que teria de pagar 547€ para beber três cafés diariamente, aceitava? Provavelmente não. Mas como a despesa é repartida por 365 dias, nem se apercebe do valor que representa anualmente.

Como a maior parte das pessoas recebe apenas uma vez por mês, mas gasta dinheiro todos os dias, tem uma noção errada da relação entre uma coisa e outra. Se lhe dissessem que tem de trabalhar 2 horas por dia para pagar o seu almoço, continuava a fazer almoços tão caros?

Somando Tudo

Se somar todas as receitas que teve e subtrair todas as despesas que teve, qual é o saldo? Se gasta mais do que ganha, já sabe o que é que isso representa: endividamento nas suas finanças pessoais.

Está a viver acima das suas possibilidades. Está a suportar esse estilo de vida com recurso a empréstimos pessoais. Não interessa qual é o motivo. Analisando friamente os números, chega à conclusão de que vive acima das suas possibilidades. Claro que podem existir atenuantes, o ano anterior pode ter sido um ano infeliz, onde teve uma despesa extraordinária que não esperava ou teve uma redução nos rendimentos. Se não aconteceu nada de extraordinário e mesmo assim gastou mais do que ganhou, é altura de parar imediatamente!

Se o saldo deu positivo, então é sinal que ainda sobrou dinheiro que deve ser aplicado em poupança e investimento. Mas atenção, porque se o saldo é positivo mas você continua a pagar apenas o mínimo nas suas dívidas é altura de utilizar esse dinheiro extraordinário para as reduzir significativamente. Não é muito interessante estar a pagar menos do que aquilo que se pode pagar, se estiver a acumular juros de um ano para o outro.

Primeiro Passo Concluído Com Sucesso!

Este é o primeiro passo que todos têm que dar em direcção à melhoria das finanças pessoais. Muitas pessoas passam o ano todo sem saberem muito bem para onde vai o dinheiro, só sabem que chegam ao final e está em falta. Esta clarificação é importante para o motivar a poupar e cortar nas despesas que podem ser abatidas.

Como Eliminar Custos

Agora que tudo é mais claro, é preciso eliminar onde puder. Cada caso é um caso e não existem duas pessoas com o mesmo perfil de consumo. No entanto, existem algumas despesas que afectam a generalidade daqueles que têm problemas financeiros.

Reduzir a Dívida do Cartão de Crédito

Se tem dívidas elevadas nos cartões de crédito e apenas faz os pagamentos mínimos, saiba que não está a ir na direcção certa. Está a pagar juros sem abater as dívidas.

As dívidas dos cartões de crédito têm as mais elevadas taxas de juro dos mercados.

Eliminar Hábitos de Consumo

Todos temos hábitos diários que incluem consumos. Mas se está numa situação de dificuldades financeiras, é preciso olhar para essas despesas e cortar onde possível.

Analise os seus consumos fora de casa:

  • Café
  • Tabaco
  • Pequenos-almoços
  • Lanches
  • Bebidas

São milhares de euros ao fim de alguns anos! Milhares de euros que podiam ser utilizados para eliminar as suas dívidas.

Despesas Elevadas

Cuidado com as despesas elevadas que não lhe trazem grande valor. É claro que todos gostamos de uma atenção especial de vez em quando, mas quando é exagerado é preciso parar.

Se calhar tem canais por cabo que não vê mas paga.

Se calhar faz demasiadas refeições sociais aos fins-de-semana.

Tenha cuidado com essas despesas extravagantes que não lhe trazem grande valor.

Bens Acima das Possibilidades

Se tem uma casa que lhe leva a maior parte do orçamento doméstico, se calhar é melhor pensar em mudar-se para algo mais condizente com o seu estado financeiro.

Se tem um carro acima das suas possibilidades financeiras, talvez seja melhor devolvê-lo e comprar um carro que esteja dentro do seu budget.

São decisões difíceis, mas não deixe o seu ego sobrepor-se à razão. Para tentar impressionar os outros, está a arruinar as suas finanças pessoais.

Descubra o Que Tem e o Que Deve

Para calcular a totalidade do seu estado financeiro, é preciso catalogar o que tem e o que deve. Existem várias vantagens em fazer esta análise, como vai ver.

Algumas das vantagens de fazer este levantamento incluem:

  • Saber que parte do património pode vender para pagar as suas dívidas.
  • Saber que parte do património pode perder se continuar endividado.
  • Saber o estado em que se encontra para pedir novos empréstimos, se precisar.

Anotar os Bens Numa Folha de Cálculo

De um lado coloque o bem (por exemplo: casa) e do outro coloque o valor comercial estimado. Não se esqueça de nada.

Alguns dos bens mais frequentes incluem:

  • Habitação própria
  • Carros
  • Motas
  • Terrenos
  • Mobiliário
  • Contas bancárias
  • Contas poupança
  • Jóias
  • Objectos de arte
  • Títulos de investimento

Anotar as Suas Dívidas

É importante saber quanto tem de pagar por mês, mas é ainda mais importante saber qual é o valor total da sua dívida. Praticamente todos sabem como funcionam os juros, mas são poucos os que fazem os cálculos do total das dívidas que têm.

As dívidas que tem com a casa e o carro devem ficar separadas das outras porque afectam bastante a sua vida se os perder. Além disso, são bens que podem ser vendidos para recuperar algum do dinheiro gasto.

Depois de saber o tamanho dos estragos é altura de começar a pensar no que pode fazer, antes que os fornecedores venham atrás de si. Pode tentar ganhar mais dinheiro ou poupar o máximo possível. Pode consultar empresas de aconselhamento de crédito para o auxiliarem.

Se completou os exercícios que falámos nos últimos artigos, tem neste momento uma ideia mais clara daquilo que tem e daquilo que deve, e também aquilo que gasta e daquilo que ganhar. É o primeiro passo para começar a virar as finanças pessoais a seu favor.

Como Começar a Melhorar as Suas Finanças Pessoais

Para conseguir a melhoria do controle financeiro pessoal (ou controlo financeiro pessoal) é preciso melhorar a sua relação com o dinheiro.

Da mesma forma que tem relações com outras pessoas, também tem relações com o dinheiro. A forma como ganha o dinheiro, como gasta o dinheiro, como investe o dinheiro, como poupa o dinheiro. É preciso analisar o seu comportamento perante estas acções, para que não perca o dinheiro sem saber o motivo.

Nesta série de artigos, vai aprender como melhorar os seus hábitos de relacionamento com o dinheiro.

Plano Financeiro Com o Parceiro

Seja homem ou mulher, casado ou solteiro, se vive com outra pessoa e partilha as finanças da casa, é preciso que estejam ambos em sintonia.

Tem de trabalhar com a sua esposa ou com o seu marido para que discutam abertamente as diferenças entre a abordagem de cada um relativamente ao dinheiro. Se um é gastador e o outro poupado, têm de discutir e chegar a um acordo. É importante que ambos cheguem à conclusão de que é preciso ter um estilo de vida mais frugal, para conseguir ter um controle financeiro eficiente. É preciso saber controlar o hábito de gastar dinheiro impulsivamente.

Forças e Fraquezas nas Finanças Pessoais

Se nunca discutiu as finanças pessoais com o seu parceiro, ou se está agora a viver com outra pessoa pela primeira vez, tirem algum tempo para falarem abertamente sobre a forma como vão gerir as vossas finanças. Os problemas financeiros são uma das principais causas para o divórcio.

Se discutirem as forças e fraquezas de cada um logo no inicio vão eliminar os problemas que poderiam aparecer mais para a frente, muitas vezes irrecuperáveis.

Respondam a um pequeno questionário individualmente, para depois compararem as respostas:

  • Como é que controla o pagamento das contas?
  • Como é que decide uma compra de elevado valor, como um carro?
  • Quanto dinheiro tenta poupar todos os meses?
  • Almoça todos os dias fora ou leva comida de casa?
  • Quanta dívida considera aceitável?
  • Quantos cartões de crédito utiliza? Consegue eliminar o saldo negativo todos os meses?
  • Com quanto dinheiro costuma andar na carteira? Anota o dinheiro que gasta?

Poderão descobrir se um é muito gastador enquanto o outro é comedido. Muitas pessoas não se apercebem de que são mais gastadoras do que deviam e este simples exercício mostra que não têm um relacionamento muito saudável com o dinheiro, utilizando-o de forma descontrolada.

Identificar os Objectivos

Identificar os objectivos financeiros é essencial para melhorar o controle financeiro da sua família. Existem vários tipos de objectivos a alcançar, por isso saiba quais são os mais importantes.

Objectivos de Longo Prazo

Criar objectivos a longo prazo é essencial para saber se está a ir no caminho certo ou não. Só assim saberá enquadrar todas as decisões que necessitam de tomar ao longo do tempo. Por exemplo, se querem trocar de casa nos próximos cinco anos, têm de começar já hoje a preparar essa compra.

É fundamental que os seus objectivos pessoais e familiares estejam alinhados com os objectivos financeiros.

Algumas das questões que devem fazer individualmente, para depois comparar enquanto casal, são:

  • Quais os objectivos profissionais que quer atingir?
  • Quais os seus objectivos para a reforma?
  • Qual é a dívida que deseja ter daqui a cinco anos?
  • Que tipo de actividades ou passatempos quer fazer no futuro?
  • Que tipo de educação quer dar à sua família?
  • Quer ser dono da sua casa?
  • Quer ser dono do seu carro?

Os valores e objectivos da sua família são muito importantes para criar os objectivos financeiros para os próximos anos. Os objectivos a longo prazo vão ajudá-lo a tomar decisões a curto prazo. Se precisa de trocar o seu carro dentro de três anos, talvez seja melhor não ir de férias para um sítio paradisíaco este ano. É mais fácil fazer alguns sacrifícios imediatos quando o longo prazo é claro.

Objectivos de Poupança

Um dos principais objectivos a curto e longo prazo é a poupança que deseja ter, para assegurar que a sua família não passa por dificuldades se acontecer algo inesperado (e quase sempre acontece).

Se não está habituado a poupar, comece aos poucos. Poupe para comprar uma mesa de jantar para a sala, para comprar um tapete novo para o quarto, etc. Treine com despesas mais pequenas e ficará mais motivado para poupanças maiores no futuro.

A forma mais simples de começar a poupar é retirando uma pequena percentagem dos seus rendimentos assim que eles chegam à sua conta. Não conte com esse dinheiro para as despesas do mês.

Guarde todos os trocos que vai recebendo dentro de um mealheiro. Crie um objectivo para esse dinheiro.

Objectivos Conjuntos

É fundamental que o seu parceiro esteja de acordo com o esquema de objectivos financeiros criado. Não é possível ter um elemento do casal a poupar dinheiro e o outro a gastar dinheiro como se não houvesse amanhã.

Os dois necessitam de estar empenhados em poupar dinheiro e viver uma vida mais frugal, que permita eliminar todas as dívidas. Quando isso for atingido, poderão voltar a falar e a definir novos objectivos.

É também importante que não se culpem mutuamente pelo estado das vossas finanças pessoais. É mais importante discutirem solução para o futuro do que os problemas do passado. Ambos são responsáveis pela situação em que se encontram actualmente.

Se não conseguir encontrar uma solução com o seu parceiro, devem reconsiderar o vosso relacionamento. As finanças do casal são muito importantes e definem o estilo de vida que podem ter.

Objectivos Com os Filhos

Se já tem filhos é preciso falar com eles sobre os objectivos financeiros que foram criados pelos pais. Isto é principalmente importante se estiverem numa situação de endividamento e precisarem de fazer alguns sacrifícios, onde os filhos também têm de participar.

Não precisa de entrar em pormenores complicados, mas deve deixar claro que a família passa por algumas dificuldades e que vai precisar de mudar um pouco (ou muito) o estilo de vida. A conversa depende da idade deles.

Controle as Suas Dívidas

As dívidas são o pesadelo das famílias que se encontram em dificuldades financeiras. Enquanto não conseguir reduzir e controlar o seu endividamento, as suas finanças pessoas encontram-se hipotecadas. Aqui ficam algumas formas de eliminar as suas dívidas enquanto vive uma vida mais frugal.

Reconhecer o Problema

A parte mais importante para começar a eliminar as suas dívidas é reconhecer que tem um problema financeiro. São muitas as pessoas que estão endividadas mas preferem meter a cabeça na areia para não terem de enfrentar o problema.

Reduzir as dívidas deve ser a maior prioridade nas suas finanças pessoais, porque uma dívida incontrolada pode arruinar muitas famílias.

Aqui ficam alguns dos factores que podem indicar que está numa situação de pré endividamento grave:

  • Não tem poupanças e está no limite dos seus cartões de crédito.
  • Não consegue pagar todas as contas e tem de tomar decisões sobre aquelas que vão ter de ser pagas no mês seguinte.
  • Já precisou de pedir dinheiro emprestado para pagar outra dívida.
  • As suas dívidas (não contabilizando a habitação) ultrapassam os 20% dos seus rendimentos mensais.

Sempre que esteja a viver a crédito para manter o seu estilo de vida, está a viver acima das suas possibilidades e terá problemas brevemente. É altura de tomar as rédeas das suas finanças pessoais.

Eliminar os Cartões de Crédito

Depois de reconhecer os seus problemas com a dívida, é altura de dar passos para sair dessa situação. Cortar os cartões de crédito deve ser a sua prioridade número um quando atacar as dívidas.

Se tem dívidas com o cartão de crédito, deixe de o utilizar imediatamente até que as consiga eliminar. Se não consegue viver totalmente sem cartões de crédito (pode precisar para uma compra na internet, por exemplo), fique apenas com o mais favorável em termos de comissões.

Fazer Um Orçamento Doméstico

É importante fazer um budget mensal para determinar quanto vai gastar em cada categoria de despesa. Se fizer o budget, consegue saber logo no início do mês se vai ter dinheiro para pagar tudo, ou não.

Saiba como fazer um orçamento familiar.

Renegociar as Dívidas

Contacte os seus credores e tente renegociar as dívidas individualmente, para pagar menos todos os meses. Geralmente os credores preferem receber menos do que não receberem nada.

Se não consegue chegar a acordo com todos os fornecedores, contacte uma empresa de aconselhamento de crédito para o ajudar. Pode tentar o crédito consolidado.

Estes são os primeiros passos a dar para começar a eliminar as suas dívidas.

Aprenda Com Este Livro Digital

Existe um excelente livro sobre finanças pessoais, que explica de forma ainda mais detalhada como fazer um orçamento pessoal e a sua importância para aprender a investir o seu dinheiro.

Clique aqui para conhecer esse livro digital.

About Finanças Pessoais
Aqui vai encontrar as melhores informações sobre Finanças Pessoais. Aprenda a poupar, a ganhar, a investir, a viajar e muito mais...

6 Comments on Como Ter o Controlo das Suas Finanças Pessoais

  1. maristela // 07/01/2010 at 12:33 //

    As questões colocadas são todas verdadeiras.
    O faturamento da nossa empresa não cobre os gastos; não conseguimos acabar com as dividas.Pensões,pres.do carro,sala comercial,empregados,conta telef.condominio,materiais,combustivel,contador,supermercado,agua,luz,impostos,enfim,…
    Como administrar tudo e ter lucro?Sobrar algum para reformar a casa?

  2. ana Paiva // 10/02/2010 at 17:24 //

    Estou plenamente de acordo que alugar casa, é muito mais económico, mas e….as casas que estão para arrendar,? não existe uma tabela e as rendas são incomportáveis, por um T0 ou T1, é um exagero, chegam aos 800 €.

    Uma pessoa com ordenado minimo, não consegue ter casa, o que não é um luxo. é uma necessidade e concorre para a afirmação de qualquer pessoa de qualquer classe social.

    Depois em tantas cidades de Portugal, existem prédios a cair que são oropriedade de instituições, e a camara não faz nada. Com os benefícios Fisacais que têm deviam reconstruír esses prédios doados, e fazê-los render, teriam rendimentos sem terem que depender do estado. menos uma grande fatia.
    ana paiva

  3. IVAN VAZ // 27/04/2011 at 21:48 //

    Bom, eu já passei por uma situação financeira muito difícil. O descontrole e o consumo de bens supérfluos em excesso me levou à bancarrota. Cheguei ao ponto de vender minha própria casa para quitar dívidas.
    Mas felizmente, a minha situação hoje é bem diferente. De 2006 para cá, quando me formei em Administração de Empresas, consegui, com muita dificuldade, reverter aquele quadro. Isso se deveu aos ensinamentos obtidos na faculdade e principalmente aos sites especializados em Finanças Pessoais.
    Vocês que produzem esse tipo de conteúdo, não têm idéia do impacto positivo que causa na vida das pessoas.
    Como disse, o equilíbrio financeiro que adquirir, me permitiu a conquista de bens importantes como carro e 03 casas. Isso em apenas 05 anos. Além disso já consigo poupar mensalmente a quantia de R$1.500,00. Acho que aprendi a lição.
    Muito obrigado aos consultores que nos transmitem o conhecimento financeiro.

  4. Marcio Antonio Calmon // 05/05/2011 at 11:43 //

    São interessantes as observações feitas. Acompanhá-las é que é difícil, acho eu!

  5. GOSTEI MUITO DESSA ORIENTAÇÃO POIS POIS NÃO PENSAVA EM POUPAR, O QUE ME DÁ UMA SEGURANÇA, OBRIGADO.

  6. talita // 14/04/2012 at 01:01 //

    goste muito da orientação so não sei se meu esposo vai aceitar,colocar suas divida na mesa no fim do mes,eu acabo tendo que pagar algumas divida dele,tudo e em meu nome cartão cheque etc…

Leave a comment

Your email address will not be published.

*