Como fazer um seguro de vida

Os seguros de vida são fundamentais na nossa sociedade. É através deles que consegue garantir a qualidade de vida dos seus familiares, no caso de alguma infelicidade.

Para decidir o seguro que deve subscrever, siga os seguintes passos, que o ajudarão nessa pesquisa:

  • Veja se é mesmo necessário adquirir um seguro de vida. Se não tem ninguém a seu encargo, poderá não fazer sentido comprar este tipo de seguros. Para todos os outros casos é fundamental.
  • Veja que elementos da família devem ser segurados. Tipicamente deverá incluir todos os que têm rendimentos e que possam causar problemas se os perderem.
  • Procure no emprego se têm algum plano de seguros mais barato ou com melhores condições. As empresas conseguem melhores preços porque fazem negócios em quantidade.
  • Quando escolher a seguradora analise:
    • Qual o tipo de seguro mais indicado para si e para a sua família.
    • Qual o montante necessário. Deverá fazer as contas de quanto gasta a sua família anualmente e procurar um seguro para cobrir esses valores.

Os seguros de vida são uma parte fundamental do seu plano financeiro. Não quer que a sua família fique desprotegida se algo lhe acontecer, certo?

Não escolha uma seguradora à pressa, porque o contrato que pretende assinar é para a vida toda.

Tipos de Seguros de Vida

Para certas operações financeiras de maior risco a longo prazo, é sempre exigido um seguro de vida. É o caso de empréstimos para a compra da habitação, onde os bancos exigem esse seguro e costumam ate incluir na negociação do spread. Por exemplo, baixam-lhes o spread se comprar o seguro de vida, no valor do empréstimo, a empresas do mesmo grupo financeiro. São seguros anuais que se renovam automaticamente.

Se quiser, pode ainda alargar a cobertura do seguro de vida a invalidez, garantindo uma indemnização se tiver graus de incapacidade superior a uma determinada percentagem.

Um dos seguros mais úteis é o seguro temporário com capital constante, que permite ser utilizado consoante as necessidades da sua família. Se tiver filhos e quiser garantir-lhes a sobrevivência até acabarem de estudar, por exemplo, opte por um seguro com este modelo.

O ramo dos seguros de vida é um dos mercados mais dinâmicos e concorrenciais que existem. Por isso, faça uma pesquisa intensiva para conhecer todos os pormenores de cada um dos seguros, bem como o preço que terá de pagar. A diferença que irá encontrar é enorme.

Assim, além de querer poupar dinheiro, é muito importante escolher o seguro de vida mais adequado à sua situação, porque estamos a falar do futuro da sua família em caso de uma fatalidade.

Existem muitas modalidades para um seguro de vida, mas em geral dividem-se em dois grandes tipos. Os seguros de vida com termo e os seguros de vida sem termo e pode comprar pela Internet, ao balcão ou através de agentes autorizados.

Seguro de vida com termo

Estes seguros de vida podem durar entre 1 e 30 anos. No caso de morte do segurado, o valor da apólice é pago ao beneficiário. Estes seguros não têm poupança, o que significa que quando terminam, não recuperamos nenhum do dinheiro gasto.

Os seguros de vida são mais usados pelos jovens até às pessoas de meia-idade. Quando fazemos um crédito à habitação para comprar uma casa, somos obrigados a subscrever um seguro de vida temporário, renovável anualmente até ao final do empréstimo. Desta forma, os bancos protegem-se de eventuais acidentes que possam acontecer aos clientes a quem emprestaram dinheiro.

Esta é a opção de seguro de vida mais simples e rápida de subscrever.

Quanto mais velhos ficamos, mais caros são os seguros de vida. Antigamente os preços eram praticamente impossíveis de suportar pelos mais idosos, mas actualmente já existem bons planos de seguros de vida, graças à concorrência no mercado, à longevidade dos clientes e ao avanço da medicina que permite conhecer melhor os riscos que cada pessoa representa.

Seguro de vida sem termo

Estes seguros de vida permanentes, protegem-nos até à morte e ainda incluem investimentos em produtos financeiros, como acções e obrigações. Estas apólices têm valor monetário e podemos até pedir dinheiro emprestado durante o contrato.

O problema dos seguros de vida permanentes é o preço, porque uma parte do dinheiro é aplicada em poupanças e isso significa taxas e comissões maiores.

Mesmo que já tenha apólices contratadas, deverá regularmente fazer uma pesquisa de mercado e procurar condições mais vantajosas.

Valor a investir nos seguros de vida

Quanto dinheiro devemos investir depende da situação. Se for solteiro e não tiver dependentes, o mais barato é não ter qualquer tipo de seguro de vida. Quando começam a aparecer os filhos, é a hora de começar a pensar em subscrever algo que proporcione maior segurança em caso de morte. Se não tiver filhos, mas for o único a trazer rendimentos para casa e é casado, também poderá valer a pena comprar um seguro de vida.

Como indicador para o valor da apólice, deverá pensar em 5 a 10 anos do seu salário anual, mas analise o seu caso e pense quanto dinheiro quer deixar para que a sua família não sofra um impacto ainda maior do que aquele que já constitui a morte de um familiar.

O que analisar num seguro de vida

Uma apólice de seguro é um produto de uma companhia de seguros, por isso é muito importante conhecer a saúde financeira dessa empresa, já que ela pode vir a ser o garante da sua família. Não olhe apenas para o preço das apólices, mas também para o crédito dessas empresas no mercado.

Dicas para poupar nos seguros de vida

Existem algumas formas de poupar dinheiro enquanto subscreve um seguro de vida. Aqui ficam algumas.

  • Quando os seus filhos forem crescidos, pode baixar o valor da apólice porque já não dependem tanto de si.
  • Se o seu cônjuge começar a ter rendimentos, também poderá comprar uma apólice de menor valor.
  • Comece a fazer exercícios para melhorar a sua saúde geral, porque os seguros de vida incluem normalmente exames para atestar da sua boa forma física e isso poderá ser suficiente para baixar o preço das apólices. Principalmente deixar de fumar e perder peso podem influenciar os valores até 50%.
  • Deverá sempre negociar as melhores condições com a seguradora. Peça descontos, porque eles não lhos darão por iniciativa própria…
  • Cuidado com os outros produtos que lhe vão tentar vender para baixar o pagamento da sua apólice. Principalmente os agentes autorizados, ganham à comissão e vão tentar oferecer-lhe todo o tipo de produtos. Só compre se valer a pena.
  • Veja todas as condições da apólice e procure por taxas escondidas, porque podem vir a encarecer bastante o preço.
  • Reveja as suas condições periodicamente, porque as condições ajustadas para a sua família hoje, podem não ser as ajustadas daqui a 10 anos.

Outras considerações que deve ter, incluem:

  • Guardar as suas apólices em locais seguros e do conhecimento dos beneficiários, preferencialmente num banco ou num cofre à prova de fogo.
  • Todas as palavras passe e códigos que tiver, devem estar guardadas no mesmo local e serem também do conhecimento dos beneficiários.
  • Fale com os seus familiares acerca do seguro de vida, porque se acontecer uma infelicidade, eles não vão adivinhar que tinha um seguro de vida contratado e onde estão os documentos necessários para levantar o dinheiro da apólice e aí perde-se o objectivo de ter um seguro de vida.

Esqueça a fidelização

Se tiver um seguro de vida como parte das regalias de uma empresa, tudo bem, mas não deverá ter apenas esse seguro de vida, porque os empregos não duram para sempre. Isto significa que deverá ter um suplemento próprio para cobrir o que não estiver nas apólices da sua empresa.

Compare as condições dos seguros que tem pela empresa com seguros que pode comprar isoladamente e faça os ajustes necessários para ter a maior cobertura sem ter de ficar preso a uma empresa.

Negocie os melhores preços

Como em qualquer compra que faça, deve negociar o preço. Se tiver óptimas condições físicas e poucos riscos para a seguradora, jogue esses trunfos para baixar o valor a pagar. Não fumar pode baixar o valor das mensalidades em 50% devido ao risco que representa.

Procurar um especialista médico em caso de problemas

Se tem algum tipo de problema de saúde, mas que não seja grave quando comparado com a generalidade dos doentes com os mesmos sintomas, procure um médico especialista e obtenha um relatório médico que indique que não se encontra num estado grave da doença, se for esse o caso.

Por exemplo, se for diabético mas provar que tem os valores controlados com a medicação, poderá provar que não está ao mesmo nível dos diabéticos que têm mais riscos para um seguro de vida.

Mantenha-se saudável

Com já foi referido, só o acto de não fumar pode ser suficiente para baixar o prémio do seguro em 50%, mas estar em óptimas condições físicas pode significar ter ainda prémios mais baixos. Por isso faça exercício e perca peso para poupar dinheiro no seguro de vida.

Cuidado com os opcionais

As seguradoras e os agentes autorizados vão tentar aumentar o prémio mensal o mais que conseguirem, porque faz parte do negócio deles. Por isso, vão oferecer-lhe várias coberturas extra por mais um pequeno valor mensal. Por exemplo, a morte por acidente é estatisticamente improvável, por isso não vale a pena apostar o seu dinheiro na forma como pode acontecer uma infelicidade. Faça as coberturas base necessárias e aproveite o dinheiro que poupa para investir e ficar rico.

Evite as taxas escondidas

Há várias formas de as seguradoras cobrarem mais pelo seu seguro de saúde. Uma das mais usuais é a possibilidade de pagar mensalmente o valor do prémio, sendo que paga mais 10% ou mais para ter esta facilidade. Se optar pelo pagamento anual, normalmente conseguirá preços mais baixos.

 

About Finanças Pessoais
Aqui vai encontrar as melhores informações sobre Finanças Pessoais. Aprenda a poupar, a ganhar, a investir, a viajar e muito mais...

Leave a comment

Your email address will not be published.

*